Download
 
Apresentação de Slides
 
Correio
 
Fórum
 
Atividades
 
Pasta de Trabalho
 
 
Ajuda
 
 
 
 
 
 
MÓDULO XII
Introdução
Inseticidas organofosforados e carbamatos
Inseticidas piretroides
Inseticidas organoclorados
Fungicidas
Herbicida glifosado
Herbicida paraquat e diquat
Herbicidas clorofenoxiacéticos
Rodenticidas
Caso particular do "chumbinho"
Medidas de prevenção
Intoxicação por Agrotóxicos  

 



Os inseticidas pertencem a quatro grupos químicos principais:

• Inibidores da acetilcolinesterase: Organofosforados e Carbamatos
• Organoclorados: São derivados do clorobenzeno, do ciclo-hexano ou do ciclodieno. Foram muito utilizados na agricultura, como inseticidas, porém, seu emprego tem sido progressivamente restringido ou mesmo proibido. Ex: Aldrin®, Endrin®, BHC®, DDT®, Endossulfan®, Heptacloro®, Lindane®, Mirex®;
• Piretróides: são compostos sintéticos que apresentam estruturas químicas semelhantes à piretrina, substância existente nas flores do crisântemo (Pyrethrum). Alguns desses compostos são: aletrina, resmetrina, deltametrina, cipermetrina e fenpropanato. Ex: Decis®, Protector®, K-Othrine®, SBP®.


Inseticidas inibidores da colinesterase: Organofosforados (OF) e Carbamatos (CARB)

LINK: http://www.viasalus.com/vs/B2P/cn/toxi/index.jsp

A crescente preocupação sobre a poluição ambiental por inseticidas clorados não degradáveis no ambiente, tem levado ao uso dos organofosforados e carbamatos para várias finalidades: agricultura, pecuária, ambiente doméstico e em saúde pública.

Este aumento é deve-se à sua eficácia como inseticidas, assim como ao fato de que estes compostos não se acumulam na natureza e são de decomposição relativamente rápida após a aplicação. Embora ofereçam menor risco para o meio ambiente, os inseticidas organofosforados (OF) e carbamatos (CARB) são altamente tóxicos para animais e humanos e as intoxicações provocadas por esses compostos têm aumentado, particularmente, nos países em desenvolvimento.

Apresentação: Estes agrotóxicos encontram-se sob a forma de pó, grânulos, líquidos ou aerossóis, em diferentes concentrações de acordo com a utilização, se produtos para uso veterinário, fitossanitário, ou aplicadores profissionais (muito concentrados) ou aerossóis de uso doméstico (pouco concentrados). As preparações líquidas em geral vêm dissolvidas em hidrocarbonetos (xileno, tolueno...).

Os inseticidas organofosforados são compostos orgânicos derivados do ácido fosfórico e seus homólogos (ácido fosfórico, tiofosfórico, ditiofosfórico e fosfônico).
Os compostos organofosforados (OF) são, possivelmente, os inseticidas mais amplamente usados no mundo e os que mais causam intoxicações e grande número de mortes, com mais de 35.000 formulações diferentes em uso nos últimos 40 anos. Mais de 50.000 compostos OF são conhecidos pelo homem, mas, pouco mais de 40 são usados como praguicidas. O primeiro OF sintetizado foi o tetraetilpirofosfato (TEEP) em 1854. A partir de 1932 começou-se a investigar esses agentes, inicialmente como praguicidas e mais tarde para uso como agentes de guerra.

São exemplos de Organofosforados: Azinfós etílico (Gusathion A®), Clorpirifós (Dursban®, Lorsban®), Diclorvos (DDVP®, Nuvan®, Vapona®), Dimetoato (Dimexion®, Perfektion®), Diazinon (Basudin®, Diazitol®), Fenitrotion (Sumigran®, Sumithion®), Fention (Baytrex®, Lebaycid®), Fosfamidon (Dimecron®), Malation (Carbofós®, Malatol, Malaton®), Metamidofós (Tamaron®), Monocrotofós (Azodrin®, Nuvacron®), Paration metilico (Folidol®).

Os carbamatos (CARB) fazem parte de um grande grupo de praguicidas sintéticos, derivados de ésteres do ácido carbâmico. Foram desenvolvidos e usados em grande escala nos últimos quarenta anos e mais de cinqüenta carbamatos são conhecidos (WHO, 1986). Apresentam alta eficiência praguicida, principalmente, atividade inseticida, baixa ação residual e baixa toxicidade em longo prazo, com amplo espectro de uso (MÍDIO e SILVA, 1995; ROSATI e col., 1995; MORAES et al., 1996).

Atualmente, os carbamatos disponíveis no mercado são: Aldicarb (Temik®), Aminocarb (Metacil®), Carbaril (Sevin®), Carbofuran (Carboran®, Furadan®), Landrin (Landrin®), Metacalmato (Bux®), Metiocarb (Mesurol®), Metomil (Lannate®, Nudrin®), Mexacarbato (Zectran®), Propoxur (Baygon®, Unden®) (CCIn, 2000).

 

Ação

Os inseticidas OF e CARB exercem suas ações biológicas principalmente por inibição de enzimas. As esterases são o alvo. Há inibição da acetilcolinesterase (AChE), que tem a ação de degradar o neurotransmissor acetilcolina (ACh).

LINK: http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmissores
/nerves_p.html#table


Com a AChE inibida, há acúmulo de ACh nos receptores muscarínicos, nicotínicos e no Sistema Nervoso Central.
De acordo com o tempo de recuperação da colinesterase, esta inibição é considerada "irreversível", tendo em vista a formação de um complexo mais estável - no caso dos OF, e reversível - no caso dos carbamatos, já que o complexo é menos estável, permitindo a recuperação da colinesterase mais rapidamente.


A fisiopatologia da intoxicação por carbamatos difere dos organofosforados em importantes aspectos:

1. Os carbamatos inativam a acetilcolinesterase temporariamente. A enzima carbamilada é instável e a regeneração da acetilcolinesterase é relativamente rápida quando comparada com a enzima fosforilada. Assim, os praguicidas carbamatos são menos perigosos com relação à exposição humana do que os organofosforados.

2. A dose necessária para provocar a morte e a dose necessária para determinar poucos sintomas de intoxicação é substancialmente ampla para compostos carbamatos do que com os compostos organofosforados.

3. Os carbamatos penetram pobremente o SNC

Cinética

São bem absorvidos por todas as vias (oral, dérmica, respiratória, pele e mucosas) por serem altamente lipossolúveis. A presença de solvente orgânico (hidrocarboneto), comumente adicionado às formulações dos agrotóxicos, intensifica a absorção. A meia-vida plasmática é relativamente curta, podendo variar de poucos minutos a horas, dependendo do composto e da quantidade absorvida. Os inseticidas e seus produtos de biotransformação são rapidamente distribuídos por todos os tecidos atingindo concentrações maiores no fígado e rins, mas não se acumulam por tempo prolongado. Os organofosforados, diferentemente dos carbamatos, atravessam com facilidade a barreira hematoencefálica, produzindo quadros neurológicos. A eliminação é urinária para a maioria dos compostos nas primeiras 48h.

 

Dinâmica

Farmacologia da transmissão do impulso nervoso

Para que haja a transmissão sináptica é necessário que a ACh seja liberada do neurônio terminal e difundida através da fenda sináptica, ligando-se a um receptor pós-sináptico, transmitindo assim o impulso nervoso para um receptor colinérgico.

A ACh é sintetizada no neurônio a partir da acetilcoenzima A e da colina e é responsável pela neurotransmissão nas fibras pré-ganglionares simpáticas e parassimpáticas, nas pós-ganglionares parassimpáticas e na placa mioneural.

A acetilcolina liga-se a receptores na membrana da célula pós-sináptica, permitindo íons fluir para dentro da célula pós-sináptica. Para cessar a estimulação e restabelecer a sensibilidade do receptor à nova transmissão nervosa, a ACh precisa ser hidrolisada pela acetilcolinesterase continuamente. Na superfície da acetilcolinesterase (AChE) existe um centro ativo para inativação (inativação por hidrólise) da ACh, com formação de colina e ácido acético. A colina é reutilizada pela célula pré-sináptica para produzir nova acetilcolina.
LINK: www.sertox.com.ar/es/info/apuntes/2005/1002_transmission_
plaguicidas.htm
- figuras 1 e 2

Como os OF e os CARB são inibidores da AChE, ocorre acúmulo de ACh na sinapse. O excesso de acetilcolina inicialmente estimula e então, subseqüentemente, paralisa a transmissão na sinapse colinérgica. Há estimulação dos receptores muscarínicos (efetor em células colinérgicas), nos receptores nicotínicos (junções neuromusculares esqueléticas) e no Sistema Nervoso Central.
Os inseticidas inibidores da colinesterase ligam-se ao centro esterásico da molécula de AChE e cada um tem uma diferente afinidade nesse sítio. A inibição ocorre porque os compostos OF fosforilam a enzima, formando um complexo estável e geralmente irreversível. Os compostos CARB carbamilam a enzima e formam complexos menos estáveis, permitindo a recuperação da enzima mais rapidamente.

A taxa de reativação da enzima carbamilada é relativamente rápida quando comparada à da enzima fosforilada nos OF. Então a inibição da AChE pelo CARB é tão frágil que nenhuma reação de envelhecimento é possível, como ocorre com a enzima fosforilada.
LINK: www.sertox.com.ar/es/info/apuntes/2005/1002_transmission_plaguicidas.htm - figuras 3, 4 e 5

Toxicidade

A toxicidade dos CARB e OF são extremamente variáveis (ver Quadro XX). Vários fatores influem na toxicidade:

Organofosforados:

- Potencial de risco de cada substância, dose, tempo e via de exposição;
- Atravessam a barreira hematoencefálica e penetram no SNC, levando a quadros de moderados a graves;
- Condições de saúde: algumas doenças alteram níveis de AchE;
- Idade: neonatos e grávidas têm baixa atividade colinesterásica;
- Alguns compostos altamente lipofílicos (fention, dissulfoton) depositam-se no tecido adiposo atuando por mais tempo e persistindo por longos períodos nos tecidos.

Carbamatos:

- Têm inibição colinesterásica de curta duração;
- Não penetram efetivamente no SNC, resultando toxicidade limitada;
- Gravidade do quadro: usualmente leve a moderada;
- O aldicarb (um carbamato) especialmente, tem alta toxicidade podendo levar a quadros severos e podem evoluir ao óbito em poucas horas.


Apresentação de alguns OF e CARB de acordo com o tipo de uso e a toxicidade - DL50 VO (mg/kg)

Organofosforados DL50 mg/Kg
Azametiofós 1010
Bromofós 1600
Diazinon 300
Diclorvos (DDVP) 56
Dimetoato 150
Disulfoton 2,6
Fenitrotion 503
Fention 330
Fentoato 400
Malation 100
Metamidofós 30
Mevinfós 4
Monocrotofós (Azodrin) 14
Naled 430
Paration 13
Temefós 4202
Triclorfon (Dipterex) 560
Carbamatos DL50 mg/Kg
Aldicarb 0,93
Bendiocarb 55
Carbaril 300
Carbofuran 8
Carbosulfan 90
Dioxacarb 90
Furatiocarb 137
Isoprocarb 403
Metomil 17
Oxamil 6
Pirimicarb 147
Propoxur 95
Tiodicarb 39
   
   
   
   

 

 

Manifestações clínicas

Os sintomas apresentam-se sob várias combinações, típicos daqueles por excessiva estimulação dos diferentes receptores pela acetilcolina no sistema nervoso central e autônomo, assim como na junção neuromuscular esquelética.

Receptores Muscarínicos

Glândulas exócrinas: sialorréia, sudorese, lacrimejamento;
Olhos: miose, borramento visual, hiperemia conjuntival;
Trato gastrintestinal: náusea, vômito, diarréia, tenesmo, dor abdominal, incontinência fecal;
Sistema respiratório: hipersecreção brônquica, rinorréia, sibilos, broncoespasmo, dispnéia, cianose;
Sistema cardiovascular: bradicardia, hipotensão, bloqueio AV;
Aparelho urinário: aumento freqüência urinária, incontinência urinária.

Receptores Nicotínicos

Sistema cardiovascular: taquicardia, hipertensão, palidez, midríase;
Músculo esquelético: fasciculações musculares, fraqueza muscular, fadiga, cãibras, paralisia, tremores, arreflexia, paralisia flácida, insuficiência ou parada respiratória por fraqueza muscular.

Receptores Sistema Nervoso Central

Sonolência, letargia, labilidade emocional, coma, cefaléia, confusão mental, ataxia, tremores, respiração tipo Cheyne-Stokes, dispnéia, fadiga, convulsões, depressão respiratória e cardiovascular.

Atentar:

- A gravidade e o tempo de início dos sintomas dependem da composição química do inseticida, do tempo e da via de exposição;
- Após ingestão maciça, os sintomas aparecem em minutos;
- Na maioria dos casos têm início de 30 min a 12 h. Nos compostos lipossolúveis pode retardar até 24 h;
- A manifestação mais grave e usual causa de óbito é a falência respiratória do centro respiratório, agravado por excessiva secreção traqueobrônquica e broncoespasmo;
- Perda da consciência e vômito predispõem à aspiração do conteúdo gástrico;
- O quadro clínico apresentado pelo paciente constitui, freqüentemente, uma emergência médica que requer atendimento urgente;
- Produtos com solventes à base de hidrocarbonetos podem predispor a pneumonia química por aspiração.

Organofosforados

Os sintomas em geral aparecem em 1-2h após a exposição, podendo ser retardados em 12-24h sendo que, inicialmente, predominam as manifestações muscarínicas e nicotínicas. O aparecimento de quadro nicotínico e do SNC indicam gravidade. Alguns pacientes intoxicados com certos orfanofosforados podem apresentar hálito de alho.

Carbamatos

Têm ação rápida e efeitos imediatos, cessando logo após término da exposição. As manifestações são de menor gravidade (leve a moderada), com predomínio de efeitos muscarínicos. O diagnóstico é clínico, com início em 30 min e até 1-2 h após a exposição, com cerca de 6 h de duração. Os sintomas são autolimitados pela reversão espontânea da colinesterase. A recuperação é completa em 24 h. Os casos severos podem ser mais prolongados.

A presença de grânulos escuros de Temik (Aldicarb), vulgarmente conhecido como "chumbinho", na lavagem gástrica, pode certificar o diagnóstico.

 

Complicações

Convulsões prolongadas (conseqüentes à hipóxia, na maioria das vezes), insuficiência renal (devido à rabdomiólise e fasciculações) e pulmonares (intubação prolongada, ventilação mecânica e pneumonia aspirativa). Outras complicações: hipoglicemia, hiperglicemia, hepatotoxicidade, coagulopatias, pancreatite.

Diagnóstico laboratorial

- Determinação da atividade da colinesterase

A dosagem da atividade pseudocolinesterase é um exame útil na intoxicação aguda, mas, com pouco valor na intoxicação crônica.

Os testes para determinação da atividade da colinesterase não estão disponíveis na grande maioria dos serviços de saúde que prestam assistência aos pacientes agudamente intoxicados. Mesmo obtidos, a interpretação pode ser difícil, pois os níveis podem não correlacionar com o estado clínico e, além disso, uma determinação da colinesterase isolada pode não confirmar, nem excluir uma exposição, porque o nível normal é baseado na população estimada (valores de referência) e existem altas variações intra e inter-individuais nos níveis de colinesterase eritrocitária e plasmática.

Alguns quadros patológicos podem levar à diminuição da atividade da colinesterase plasmática: hepatite, cirrose, uremia, câncer, alergias, gravidez. Por sua vez, alguns fármacos podem diminuir a atividade enzimática: sulfatos, fluoretos, citratos, fenotiazinas, codeína e outros.
O diagnóstico das intoxicações por CARB usualmente é fundamentado na avaliação clínica, pois os níveis de colinesterase normalizam-se rapidamente.

- Creatinofosfoquinase (CPK)
- Eletromiografia (nas intoxicações por OF com déficit neuromotor)
- Outros: hemograma, ionograma, gases arteriais, uréia, creatinina, ECG, Rx de tórax

Correlação entre a gravidade, o quadro clínico e a atividade da colinesterase plasmática das intoxicações por organofosforados e carbamatos.

Gravidade Quadro clínico Atividade da colinesterase plasmática
Exposição rápida Sem sinais ou sintomas 50-90%
Intoxicação Leve Náuseas, fadiga, mal-estar, miose, sialorréia discreta, deambulação normal, fraqueza muscular mínima, cólicas abdominais sem diarréia. 20-50%
Intoxicação Moderada Salivação, lacrimejamento, miose, broncorréia, broncoespasmo; bradicardia, vômitos, sudorese, cólicas abdominais, incontinência urinária e fecal, tremores, fraqueza, não deambula, fasciculações, confusão, letargia, ansiedade. 10-20%
Intoxicação Grave Agravamento do quadro moderado; insuficiência respiratória, pupilas puntiformes, arritmias, paralisias, coma, convulsões. 10% ou menos


Diagnóstico diferencial

Deve ser feito com outras intoxicações (cogumelos de ação muscarínica, opióides, medicamentos de ação colinérgica e barbitúricos), traumatismo cranioencefálico, acidente vascular cerebral, síndrome comicial e edema agudo de pulmão de origem cardiogênica.

 

Tratamento

Da Crise Colinérgica Aguda:
O sucesso do tratamento depende de rápida e simultânea implementação:

- Correção dos distúrbios colinérgicos com administração de doses adequadas de atropina;
- Manutenção das funções vitais;
- Descontaminação.

Se o paciente tiver história de exposição, mas apresentar-se assintomático, deve-se mantê-lo em observação por 6-8h.

1. Esvaziamento gástrico (êmese ou Lavagem Gástrica) + Carvão Ativado seguido de catártico;

2. Na ingestão de OF e certos carbamatos, usar CA em múltiplas doses devido ao ciclo enteroepático;

3. Antagonista: SULFATO DE ATROPINA (Atropina®): este fármaco bloqueia os efeitos muscarínicos decorrentes da estimulação colinérgica

- Dose: Adultos: 1-4mg/dose, EV. Crianças: 0,01-0,05mg/kg/dose, EV;
- Pode ser repetida a cada 15-30 min até que o paciente apresente sinais de atropinização: secura das secreções pulmonares e de mucosas e o aumento da freqüência cardíaca;
- Alcançados esses sinais de atropinização, ajustar a dose. A retirada da atropina deve ser gradual e restituída se surgirem manifestações colinérgicas;

4. As intoxicações por organofosforados normalmente necessitam de doses mais elevadas de atropina;

5. Os carbamatos, em geral, têm recuperação em cerca de 6h. Na persistência do quadro, considerar possibilidade de outro diagnóstico ou associação a OF;

6. Antítodo: PRALIDOXIMA (Contrathion®): Age na reativação enzimática da colinesterase e proteção da enzima não inibida. Tem maior eficácia quando administrado nas primeiras 24h da exposição. Tem efeito nas manifestações nicotínicas (fraqueza muscular, depressão respiratória, etc.).

Lembrar que potencializa os efeitos da atropina reduzindo suas doses terapêuticas

- Doses: adultos: 1 a 2g, a cada 4-6h, EV, diluída em 150mL de soro fisiológico, de 30-45 minutos. Não exceder 200mg/min. Crianças: 25-50mg/kg, EV, a cada 4-6h, diluída em 150mL de SF, por 30 minutos. Não exceder 0,4mg/kg/min;
- Não é indicado na intoxicação por carbamatos. Contra-indicado nas intoxicações por carbaril.
- Efeitos colaterais: taquicardia, laringoespasmo, rigidez muscular e bloqueio neuromuscular transitório (relacionados à infusão rápida), náuseas, hiperventilação, cefaléia, tontura, diplopia;

7. Medidas para aumentar a eliminação:

- Diálise e Hemoperfusão: não são indicadas pelo grande volume de distribuição dos OF e devido à curta duração do quadro nas intoxicações por carbamatos. A diurese forçada não é efetiva;

8. Medidas sintomáticas e de manutenção:

- Controle hidreletrolítico: somente repor as perdas (vômitos, diarréia, sudorese intensa);
- Convulsões: usar benzodiazepínicos, EV (seu uso impossibilita avaliação de outros parâmetros);
- Insuficiência respiratória: cuidados com a intubação e/ou ventilação mecânica.


Contra-indicação

Aminofilina, succinilcolina, morfina e fenotiazinas por aumentarem o risco de arritmias cardíacas graves.

Complicações neurológicas

1. Síndrome intermediária (SI)

Esta Síndrome tem sido relatada com o uso do paration, metil-paration, monocrotofós, metamidofós, fention e dimetoato. É de aparecimento agudo, surgindo freqüentemente entre 24-96 h (1-4 dias) após a recuperação da crise colinérgica aguda. Afetam pacientes conscientes, sem fasciculações ou outras manifestações colinérgicas.

Caracteriza-se por fraqueza muscular especialmente flexores do pescoço, músculos respiratórios e musculatura proximal de membros superiores e pescoço. Há risco de óbito pela paralisia respiratória súbita.

O diagnóstico é clínico. Suspeitar quando, após recuperação da crise colinérgica, desenvolve-se dificuldade respiratória. O pronto e efetivo controle da insuficiência respiratória é o fator preponderante para o tratamento da SI. Todos os intoxicados com produtos possíveis de causarem SI devem permanecer no hospital por 3-5 dias após a intoxicação e melhora da crise colinérgica aguda


2. Polineuropatia tardia induzida por OF

LINK: http://bmj.bmjjournals.com/cgi/content/full/312/7042/1312

LINK: http://www.ajph.org/cgi/content/abstract/84/5/731?ijkey=
c526b9cbc7273bd7af57e1ff24b12332af3c9dfe&keytype2=tf_ipsecsha

Relatada com metamidofós, clorpirifós, fention, triclorfon, merfós, mipafós, fenofosfon, malation, isofenfós, leptofós. Esse quadro desenvolve-se de 10 dias a três semanas (2-4 semanas) após a exposição e após a crise colinérgica. Segundo alguns autores, precisa existir agressão do OF a uma esterase identificada como “esterase neurotóxica” ou “neurophaty target esterase” (NTE). O mecanismo de ação tóxica necessita de maiores investigações.

As manifestações clínicas são progressivas e irreversíveis: debilidade, ataxia, fraqueza muscular e paralisia, inicialmente distal (em pernas, progredindo para extremidades superiores), cãibras dolorosas, parestesia, hiporreflexia. Após um período de vários dias a algumas semanas o processo se completa com lenta recuperação. Nos casos leves, os pacientes podem se recuperar após vários anos, mas, nos casos mais severos ocorrem sintomas persistentes como espasticidade resultante do dano da medula espinhal.

Nenhuma droga terapêutica específica tem provado ser útil no tratamento. O uso de atropina e pralidoxima durante a fase aguda não previne a polineuropatia. A fraqueza muscular melhora com exercícios ou outras formas de fisioterapia.

 
Sair